Automatização de processos: o que é, como fazer e os desafios

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Esse texto é resultado de uma entrevista com nosso parceiro Sysmaq. Edson Pereira, nosso Gerente de Projeto, entrevistou Ricardo Denardi, Gestor de Projetos da Sysmaq.

A Transformação Digital é conhecida por implementar tecnologias para melhorar processos tradicionais de empresas, tanto internos quanto externos e em diferentes áreas das organizações. No entanto, a Transformação Digital vai muito além do que a implementação de tecnologias, ela é uma estratégia mercadológica que deve ser empregada na organização como um todo e um mindset ágil a ser adotado por todos os colaboradores.

A adoção da estratégia e a mudança de comportamento e pensamento (mindset) por todos os colaboradores têm o poder de acelerar a Transformação Digital, tornando a empresa e seus processos mais rápidos e competitivos no mercado. Essa mudança de mindset não necessariamente é pensar em como digitalizar processos, mas enxergar oportunidades de melhoria e encontrar uma solução que não só resolva o problema, mas que traga inovação e outros benefícios à empresa — como redução de custo, aumento do bem-estar do colaborador, diminuição de etapas num processo, entre outras coisas.

Uma das áreas em que mais se ouve falar sobre Trasformação Digital é a manufatura, na qual esse processo ganhou até um nome próprio, a Indústria 4.0. A Indústria 4.0 é a implementação de novas tecnologias na linha de produção e processos relacionados a fabricação. Em muitos dos casos, a intenção das implementações é de diminuir custos e automatizar e acelerar a produção do chão de fábrica.

Com mudanças econômicas e geopolíticas, a aceleração para a construção e transformação de fábricas conectadas aumentou. Segundo Ricardo Denardi, “isso faz com que haja investimentos para instalações de novas plantas e linhas de produção já dentro do padrão de Indústria 4.0. A pandemia [da COVID-19] acelerou os processos de digitalização das empresas por necessidade de saúde e competitividade como um todo.”

Nós do Venturus, Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento, trabalhamos com inovação e atendemos empresas de diferentes portes da área de manufatura, especialmente aquelas que querem ajuda na Transformação Digital da sua linha de produção. Em conjunto com a Sysmaq, empresa parceira do Venturus em projetos de automação de indústrias, vamos explicar de fato o que é transformar a sua fábrica convencional em uma fábrica conectada.

O que é automatização de processos?

Segundo Ricardo Denardi, automatização é qualquer tipo de dispositivo que possa trazer conforto, informação ou melhoria em alguma atividade que você está executando Ou seja, ela vai de braços robóticos com a capacidade de fazer um processo inteiro de montagem, inteligência artificial capaz de tomar decisões rápidas com base em dados coletados da própria máquina até a instalação de um software que preenche automaticamente o Centro de Custo em uma nota fiscal.

Um chão de fábrica totalmente automatizado teria software e hardware trabalhando para a aceleração das atividades que são executadas. Um dos benefícios que a aplicação da Transformação Digital em uma linha de produção traz é a quantidade de dados que podem ser coletados com a implementação de processos automatizados e com Inteligência Artificial.

Esses dados ajudam não só nas tomadas de decisões rápidas, mas em manutenções preditivas de linha, melhoria na produção, entre outros pontos que, dependendo dos dados coletados, permitem que uma empresa tire o melhor proveito da sua Transformação Digital.

Automatização no Brasil

Como comentado anteriormente, a automatização pode ser empregada de diversas formas. Fábricas localizadas no Brasil já vêm se adaptando ao modelo internacional de Indústria 4.0. O Brasil ainda não é um país com muito robôs nas linhas de produção, mas Ricardo Denardi alerta que, em um cenário de 20 anos, a transformação será completa.

Existem normas e especificações internacionais para a criação de fábricas conectadas — é fundamental que elas sejam seguidas para um bom resultado de projeto. Atualmente, não existe nenhum projeto de Indústria 4.0 que não siga os requisitos internacionais

No entanto, as necessidades de cada mercado e de cada país são diferentes. Enquanto países como a China prezam pela velocidade de execução de atividades isoladas em suas linhas de produção — possibilitando uma produção em massa de um mesmo produto —, no Brasil, é possível perceber uma tendência de equipamentos que combinam velocidade, flexibilidade e adaptabilidade.

Aqui, um equipamento não pode ser customizado a ponto de realizar apenas uma ação, pois as formas de trabalho e produto sendo montado mudam com certa frequência e, nessas mudanças, o equipamento se tornariam obsoleto. Assim, uma única máquina deve ser capaz de fazer mais de uma ação ou produto dependendo da fábrica, melhorando o custo benefício e ROI de todo o processo de automatização da linha de produção.

Mas, afinal, como é um projeto de automatização?

Antes de entender as suas etapas, vamos explicar de forma ampla o que é um projeto de automatização. O projeto pode ser desde um software em um computador que realiza o preenchimento automático de informações até a construção de uma linha completa de produção toda automatizada, com braços robóticos executando atividade repetitivas e de força, embalagem e leitura enquanto os operadores fazem serviços menos braçais ou até manutenção das próprias máquinas.

Como já dito, a Transformação Digital não é somente a implementação de robôs e softwares que automatizam algum processo, ela é também uma mudança de mindset corporativo. Dessa forma, é de extrema importância envolver todas as pessoas que serão afetadas pela automatização de uma linha de produção. Com essa mudança de pensamento e comportamento, empresas mais tradicionais conseguem se transformar, simplificar e melhorar processos sem deixar de lado a sua essência. É possível aumentar a qualidade de vida do operador, diminuir o tempo de montagem, reduzir custo e desperdício na produção, entre muitas outras possibilidades.

Assim, é essencial que a proposta de solução seja customizada para atender às necessidades da organização como um todo — tanto de aspectos de negócio como de processos e pessoas. Para facilitar a visualização de algo tão “futurístico”, existem ferramentas para simulações e PoCs (Proof of Concept ou Provas de Conceito) — projetos que procuram provar o conceito do projeto em menor escala antes de seu desenvolvimento em larga escala — para a validação da solução antes da implementação começar a ser construída. É claro que, mesmo com toda a fase de pesquisa, investigação, preparatória e simulação, serão necessários alguns ajustes durante o processo, mas que já estão dentro do planejado.

Etapas de um projeto de automatização

Nosso Gerente de Projeto Edson Pereira cuida de projetos de manufatura e, principalmente, da sua automatização. Tanto Edson como Ricardo explicam que, antes de tudo, existe uma etapa de pesquisa e investigação. Essa etapa é de extrema importância para que, na construção do projeto, sejam levados em consideração todos os pontos que a automatização deve atender para que o cliente esteja satisfeito com a entrega da solução final.

No Venturus, a primeira coisa que fazemos na etapa de pesquisa e investigação é ir até o chão de fábrica e analisar a operação manual que será automatizada (caso ela já exista). Conversar com operadores, entender quais os pontos positivos e os que precisam ser melhorados auxilia na criação de uma possível automatização.

Após a etapa de pesquisa, vamos para a fase preparatória do projeto, na qual são acionados                                          operadores, clientes — todos que estejam envolvidos no processo a ser automatizado — e colaboradores do Venturus. Nessa etapa, também é realizada a coleta de informação com todos os envolvidos e as primeiras ideias são lançadas.

A fase de desenvolvimento do projeto é dividida em algumas partes, mas, dependendo do que é esperado na entrega, não é necessário passar por todas as fases. A parte de usinagem mecânica é feita na fase preparatória do projeto. Nela, é desenhado e construído o que será necessário para o projeto (braço robótico, alguma peça, entre outros). Depois, com o equipamento construído, é preciso montar a parte mecânica, elétrica e pneumática. O desenvolvimento de software é feito em paralelo a esse processo e a instalação será após a montagem.

Finalizada a parte de desenvolvimento, vem a etapa de testes. Nessa etapa são feitos muitos testes com o dispositivo do projeto direto na linha de produção, para validar a parte mecânica, elétrica, pneumática e de software. Por fim, são feitos pequenos ajustes para a entrega do projeto.

Após cada projeto entregue, é muito importante também realizar uma reunião de retrospectiva e identificar as Lessons Learned (Lições Aprendidas) do processo. Com isso, é possível levantar pontos positivos do projeto entregue, o que pode ser melhorado para futuros projetos, além de ser importante para mapear tendências de projetos para estar de olho no que está por vir.

Conclusão

A Transformação Digital é assunto recorrente quando pensamos no futuro das empresas, independentemente do segmento ao qual elas pertencem. A Indústria 4.0 é a transformação de linhas de produção com processos tradicionais em linhas automatizadas, com menos trabalho braçal, mais versatilidade e rapidez. Porém, não é só a transformação de linha de produção que se encaixa aqui, mas toda a mudança de comportamento e mindset de uma empresa que queira continuar crescendo, inovando e encontrar o equilíbrio entre lucro, bem-estar e sustentabilidade.

Um projeto de automatização é algo totalmente inovativo e exclusivo para cada cliente, de forma que é necessário seguir uma série de etapas para a execução de um bom projeto de Indústria 4.0. Esse projeto deve levar em consideração as necessidades e objetivos da organização, os seus processos atuais e, muito importante, seus colaboradores. Finalmente, ele deve ser visto como início da transformação digital, que traz muitas possibilidades de crescimento e inovação dentro das empresas nas quais é aplicada.

Daqui 20 anos, a transformação das fábricas será total, mas já existem fábricas se adaptando ao novo mundo e nós da Venturus somos parceiros nessa jornada. Com mais de 25 anos no mercado, trabalhamos com Indústria 4.0 para fábricas de diferentes segmentos sempre seguindo as especificações do cliente e normas internacionais de automatização.

Veja mais
Liderança
Carlos Fernandes

Liderança na quarentena

A quarentena causada pelo Novo Coronavírus causou um curto-circuito nas discussões sobre adoção do home office. O que, antes, existia apenas como discussões e conjecturas
Leia mais »
Campinas / SP - Brasil

Estrada Giuseppina Vianelli di Napolli, nº 1.185
Condomínio GlobalTech Campinas
Polo II de Alta Tecnologia
CEP 13086-530 – Campinas – SP
+55 (19) 3755-8600

+55 (19) 3755-8600
contato@venturus.org.br

Bitnami