O que é Blockchain?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Em 1991, é criada uma das tecnologias mais disruptivas da época e a mais segura até o momento. A Blockchain ganhou fama em 2018, quando começou a ser usada na criptomoeda Bitcoin, mas a sua utilização vai além de compra e venda de moedas virtuais, contendo aplicações que vão da validação de documentos até transações entre governos.

Veja o que é a Blockchain, como ela funciona e quais suas principais utilizações no mundo.

 

O que é?

O termo Blockchain descreve uma corrente de blocos. Cada um desses blocos (blocks) contém as informações sobre um evento. Os blocos são conectados em ordem cronológica, formando uma corrente (chain). Para explicar como a Blockchain funciona, vamos fazer uma analogia ao Google Doc.

Quando o usuário X cria um documento na ferramenta da Google, um elo inicial é gerado. Para cada nova alteração feita no documento, é criado um novo elo que se conecta ao anterior, gerando, assim, uma corrente de ações.

Uma vez criado um elo, não é possível apaga-lo ou edita-lo. Alterações só podem ser feitas criando um outro elo, que registra essas modificações. Essa analogia ajuda a ilustrar como seria a criação de uma chain (corrente). Agora que você já entendeu como cada elo é criado e forma a corrente, vamos à explicação sobre descentralização.

Seguindo com o exemplo anterior, caso o documento seja acessado por outros usuários Y e Z, estes devem receber a corrente do usuário X para que possam continuar a edição do documento. Ou seja, todo o histórico é mantido em sincronia entre os usuários, independentemente de uma central.

Sendo assim, se o usuário X envia esse documento para a agência de publicidade, por exemplo, sem a aprovação dos outros, essa ação estará registrada como elo na corrente do documento, sincronizada entre todos, tornando evidente quem enviou o documento sem a aprovação final dos usuários envolvidos.

Bom, agora, chega de analogia e vamos para a parte técnica.

 

Princípios do Blockchain

A tecnologia Blockchain é baseada em cinco pontos: descentralização dos dados, transação peert to peer/ponto a ponto, transparência com pseudônimo, histórico irreversível e poder de processamento. Explicarei cada um deles a seguir.

 

Descentralização dos dados

Cada computador que faz parte da rede possui uma cópia da chain e, portanto, contém um registro de todas as ações de todos os usuários. Um exemplo muito conhecido é a criptomoeda Bitcoin. Todos os usuários com carteira Bitcoin têm acesso ao histórico de todas as transações realizadas por qualquer pessoa dentro dessa rede.

 

Transação peer-to-peer (ponto-a-ponto)

Em uma Blockchain, não existe um intermediário fazendo transações entre pessoas ou instituições, por isso o nome peer-to-peer ou ponto-a-ponto. As ações são feitas de um parpara outro, sem nenhum contato de terceiros para validação ou aprovação, mas, claro, com toda confidencialidade com os dados das pessoas, o que nos leva para o terceiro ponto.

 

Transparência com pseudônimo

Apesar de um dos lemas da tecnologia Blockchain ser sobre sua transparência, nas transações e registros, nenhum usuário tem conhecimento de informações pessoais de outros usuários. Cada pessoa cadastrada em uma Blockchain recebe um código único e criptografado, impossibilitando que usuários possam saber informações confidenciais de alguém. Ou seja, é possível verificar o registro de um usuário/código, mas você não vai saber o nome, CPF ou endereço desse usuário.

 

Histórico irreversível

Como comentado anteriormente, depois que uma ação é registrada no histórico de uma Blockchain, a mesma não pode ser deletada ou editada, só uma nova ação pode ser feita para “correção” de alguma ação passada. Isso faz com que o histórico não possa ser modificado de nenhuma forma, sendo impossível falsificações de ações anteriores que afetem algo no presente.

 

Poder de processamento

Esse ponto é o que faz a tecnologia Blockchain quase impossível de ser hackeada (mais a frente vamos falar sobre isso). Como dito anteriormente, todas as ações de um usuário são registradas em um histórico de transações. Além disso, esse histórico é registrado em todos os computadores de usuários daquela Blockchain. Para que uma ação futura seja validada, todas as ações do histórico daquele usuário devem estar iguais em mais de 51% dos computadores conectados naquela Blockchain.

Na prática, para um bloco ser adicionado à chain, é necessário que seja feito o cálculo de uma chave única do bloco, que será apontada pelo bloco posterior como o elo que une os blocos da corrente. Esse cálculo é chamado de mineração, uma atividade que exige um grande esforço computacional.

Se um usuário mal-intencionado desejasse alterar o conteúdo de um dos blocos da chain, seria necessário recalcular, além da chave do bloco alterado, a chave de todos os blocos anteriores. Caso a rede tenha muitos computadores conectados, se torna muito improvável que um usuário possua o poder de processamento para fazer os cálculos e obter o consenso dos outros usuários. É essa característica que transforma a Blockchain em uma tecnologia tão segura.

Para incentivar essa atividade crucial para o funcionamento da blockchain, na Bitcoin os usuários que se disponibilizam como mineradores ganham recompensas caso consigam descobrir uma chave única.

 

Segurança

Uma característica muito importante da Blockchain é a sua segurança. A sua principal propaganda é a sua improvável, ou até impossível, hackeio de uma Blockchain. Como comentado anteriormente, a tecnologia Blockchain é descentralizada, ou seja, os dados de um Blockchain não estão armazenados em um só local ou máquina e, sim, em todas as máquinas que queiram participar do sistema como mineradores de dados.

Tanto para que uma informação seja validada quanto hackeada, ela precisa estar igual em mais de 51% dos computadores que estão minerando aquele dado. Ou seja, se pensarmos no caso da moeda Bitcoin, centenas de milhares de computadores precisariam ser hackeados ao mesmo tempo para que uma alteração seja feita em todos os computadores conectados e aceita como algo verdadeiro.

Mas, por outro lado, vamos imaginar que uma pequena empresa resolve desenvolver um Blockchain com informações da própria empresa, mas os dados estão sendo minerados em apenas três computadores. Para que a pessoa possa hackear mais de 51% das máquinas, nesse caso, ela só precisa hackear duas ao mesmo tempo. Difícil, mas não impossível.

O que já foi noticiado por aí são pessoas que conseguem descriptografar códigos e senhas que são utilizadas como login de uma pessoa para um determinado Blockchain e acabam roubando o que a pessoa tem. Seria como se o seu cartão fosse clonado e uma pessoa entrasse na sua conta do banco e transferisse todo o seu dinheiro para ela. Ela hackeou as suas informações, mas não o sistema do banco. É uma ação verdadeira, mas feita por outra pessoa, não por você.

 

Público e privado

Bom, agora que você entende o que é uma Blockchain e suas principais características, vou falar sobre a diferença entre um sistema de Blockchain público e privado.

 

Público

Na Blockchain pública, a rede é aberta ao público, ou seja, à qualquer computador que queira fazer parte da rede. Um exemplo é a Bitcoin, qualquer pessoa que tenha interesse pode fazer parte desta rede, seja ela como negociador de bitcoins ou como minerador.

 

Privado

Por outro lado, a Blockchain privada é controlada por uma entidade e somente usuários dentro desta rede podem manipular a mesma. Um exemplo de uso deste tipo de rede seria o controle dos processos de produção dentro de uma indústria.

 

Aplicações

Como já dito, a Blockchain possui muitas aplicações. Embora a mais famosa provavelmente seja Bitcoin, Blockchain já é usada em diferentes setores.

 

Imóveis

Imagine que você acaba de comprar um imóvel. Para que o contrato seja feito, é preciso buscar vários documentos referente ao imóvel e ao dono do imóvel — caso tenha tido mais de um, documentos dos donos. Escritura, CPF, dívidas, entre outros documentos são necessários análise para depois fazer o contrato. Agora, imagine todos os documentos registrados em uma Blockchain pública. Todos os documentos estariam no mesmo local e já validados por mais de 51% dos computadores, com a mínima chance de falsificações. Rápido, prático, seguro e econômico.

 

Indústria

Como dito anteriormente, um exemplo de uso de Blockchain na indústria seria o registro de cada etapa pela qual o produto passou, desde a sua matéria prima até a loja em que foi vendido. Esse histórico já vem sendo aplicado em alguns alimentos, como frutas, verduras e legumes, mas sem a segurança do Blockchain.

 

Governo

Que tal um exemplo de algo bem brasileiro? Nosso Imposto de Renda. Todo ano, temos que reservar um período para declarar o nosso imposto de renda. Tempo, estresse e dinheiro são gastos nesse processo e, algumas vezes, o resultado não é muito bom. A tecnologia Blockchain pode ser utilizada no processo, diminuindo a ação do cidadão ou até retirando por completo a existência do Leão do Imposto de Renda, já que todas as ações feitas por um cidadão estarão registradas na Blockchain (compra e venda de imóveis, carros, gasto com procedimentos médicos, recebimento de bolsa de estudo etc.).

A tecnologia Blockchain pode ser utilizada em muitas áreas de negócio. Todos os princípios que foram abordados no texto confirmam a segurança da Blockchain. Ela foi construída para que, mesmo com a confidencialidade dos pares envolvidos, exista a transparência do histórico. As pessoas e instituições que estariam na Blockchain não precisam confiar no outro par da ação, mas no sistema desenvolvido com a Blockchain.

Assim, sua transparência e segurança são dois pontos principais que fazem com que muitas empresas estejam investindo na sua própria Blockchain, seja ela para transações financeiras, de documentos, produtos ou até de informações pessoais.

 

 

 

Veja mais
Liselene Borges

Gadgets na Saúde

Há pouco tempo atrás, li uma matéria sobre um estudante de 13 anos foi “salvo” graças a um aviso de seu relógio inteligente, feito a
Leia mais »
Campinas / SP - Brasil

Estrada Giuseppina Vianelli di Napolli, nº 1.185
Condomínio GlobalTech Campinas
Polo II de Alta Tecnologia
CEP 13086-530 – Campinas – SP
+55 (19) 3755-8600

+55 (19) 3755-8600
contato@venturus.org.br

Bitnami